Caso Wesley – Polícia de Franca desmente versão de assassinato publicada nas redes sociais

Por Karoline Nascimento
G7 Kromnws – 18/11/2021 | 6h

A Polícia Civil de Franca, desmentiu nesta quarta-feira, 17, a versão publicada nas redes sociais, que o jovem Wesley Pires, hoje com 15 anos, estaria morto e teve o corpo abandonado numa mata na cidade.
Uma pessoa não identificada, postou em um grupo criado para falar sobre Wesley, na terça-feira, que o garoto teria sido pego por pessoas de um bar, no Jardim Aeroporto em Franca.
E que dias depois de ficarem com o menino, ele teria sido morto com um tiro e desovado numa mata.

A polícia informou que o local já foi periciado e nada foi localizado meses atrás.
E que a denúncia não passa de Fake News.
A Delegacia de Investigações Gerais, investiga o desaparecimento de Wesley, desde o ano passado, quando ele sumiu ao sair de casa para comprar um doce, segundo relatos da família.

Desde então, seus pais estão numa procura sem precedentes pelo paradeiro do filho.
Foram em diversas cidades quando receberam informações de que ele estaria nelas, mas nunca o encontraram.
Milhares de reais já foram gastos pela família nas buscas, e a polícia já investigou muitas possibilidades.
Nem uma chegou a revelar, o que de fato ocorreu com o garoto.

Na postagem da terça-feira, 16, a pessoa que criou o perfil, disse que o pessoal do bar, onde Wesley teria roubado uma bicicleta o pegou.
Em entrevista a um Portal de Notícias de Franca, o dono do lugar negou a versão.
Ele conta que desde que essa postagem foi publicada, seu telefone não para de tocar.
Que se solidariza com a família e espera que Wesley seja localizado com vida.
Mas que nem ele nem sua família, tem qualquer informação sobre o que ocorreu com o menino.

Ele conta também que a notícia, já prejudicou financeiramente o bar, e que se queriam atingi-lo com isso, conseguiram, o que lamenta.
6 pessoas dependem do funcionamento do espaço, que funciona como restaurante durante o dia, espetinho de noite, e que agora está abalado por conta das denúncias falsas.
A polícia, confirma que as informações são inverídicas.
E que os donos do espaço já foram investigados, e nada contra eles foi localizado.