Em Franca, Pronto Socorro Municipal volta a ter lotação máxima e médicos tentam esconder doenças respiratórias

Por Karoline Nascimento
G7 Kromnws – 18/11/2021 | 18h22

A Reportagem do Informe Franca, Núcleo Regional de Notícias do G7 Kromnws, esteve na tarde desta quinta-feira, 18 de novembro, no Pronto Socorro Infantil do Município.
Das 12h as 17h45, houve o acompanhamento da alta demanda no local, de pais que procuravam o PS Infantil para atendimento de seus filhos, depois de uma série de denúncias
registradas no Site.
O questionamento dos pais é o mesmo na sua imensa maioria.
A demora no atendimento médico, que para alguns casos leva mais de 6h de espera.

Há casos de pais, que estão indo ao PS desde a segunda-feira, e ainda não conseguiram ser atendidos.
Tudo depende da gravidade da situação, e do stress que a espera trás para as crianças e os pais.
Uma mãe conta a Reportagem, que esteve no Pronto Socorro na terça-feira, e ontem.
Mas não conseguiu ser atendida.
O atendimento só foi possível, momentos antes da Reportagem deixar o Pronto Socorro, hoje.
Mas, sem solução para o problema da filha.
“Disseram que ela está com uma gripe, e que vai passar dando Dipirona”, relata a mãe.
Que tem a filha com sensação de fraqueza, mal-estar, cansaço respiratório e febre de 39 °C.
Ela e outros pais que saíram do Pronto Socorro hoje, reclamam também de outra conduta semelhante dos médicos.
Não bastasse a demora nos atendimentos, os profissionais de saúde não solicitam exames complementares que possam contribuir com o diagnóstico.
Sob anonimato, um pai disse que parece até que os profissionais foram orientados a não atender a criança como deveriam.
Eles não pedem um exame, eles não fazem teste para a Covid-19.

Nos últimos 15 dias, o Pronto Socorro Municipal de Franca, teve um aumento exponencial no público infantil.
Especialmente no horário do almoço e após as 17h.
A média está sendo, de 400 a 450 atendimentos dia, na unidade.
Única do Município referência para atender crianças.
Nas Unidades de Pronto Atendimento, raras são as vezes que existem pediatras de plantão, reclamam os pais.

A Prefeitura Municipal de Franca sabe do problema.
E se esquiva.
O Secretário de Saúde confirmou em entrevista, que há um aumento nos atendimentos.
Mas que isso é normal, dado a proliferação de viroses por conta do convívio dos alunos agora entre si.
As doenças respiratórias de leve sintomas também começaram a reaparecer, por conta das mudanças climáticas da época do ano, destacou.

O Secretário não explicou, porque as crianças francanas não estão sendo submetidas a testes clínicos de Covid-19, ao chegarem com sintomas respiratórios na unidade.
Nem, quantos casos ao certo a cidade possue, que foram confirmados desde que as aulas voltaram.

Bastidores
Fontes que conversaram sob anonimato com a Reportagem do Informe Franca, relatam um clima de preocupação que não vem da Prefeitura.
Mas de professores e educadores da rede Municipal de Ensino, com a situação.
Muitas crianças estariam apresentando possíveis sintomas de Covid-19, sem o devido tratamento.
Isso deveria ser investigado de forma melhor, mais célere, mas não está.